domingo, 21 de novembro de 2010


Não é do fim da vida que teme minha alma, mas do fim do sentir-se bem eterno.... Não mais existir não é tão doloroso quanto o existir sem ser notado, ou amar sem ser amado, ou perder o que jamais será recuperado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário