sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Eu sou a vida e a morte
Ambas habitam minha mente
Não sou fraco, nem sou forte
Sou simplesmente diferente

Minha vida é cheia de sonhos
Que nunca se tornam realidade
Minha mente é povoada demônios
Sou vítima de minha insanidade

Não notarão quando eu houver partido
Pois morrerei uma morte sem sentido
Como se eu nunca tivesse existido
Eu morrerei, porém sem nunca ter vivido

Estas figuras angelicais,
Que compõem esta doce paisagem,
Não estragarei mais,
Com minha sombria imagem.

Sonhei com você noite passada
Mas sonhos não valem nada
Pois sonhos são pura ilusão
E na vida sempre predomina a razão.

2 comentários:

  1. Olá Ramon,

    A certeza da vida é a morte. Nem todos os sonhos se tornam realidade, mas é importante continuar a sonhar. Como ninguém é o dono da razão e nem sempre se pode ter o controle das emoções está aí algo comum a todos.

    Versos tristes e sombrios, mas creio que a muitos leva luz.


    Beijos com carinho e bom domingo.

    ResponderExcluir
  2. Compartinho de seus sentimentos. Andar sobre a linha tenue é sempre angustiante.
    Beijos amigo.

    ResponderExcluir