domingo, 12 de dezembro de 2010


. ...Um dia um velho sábio me disse que no momento em que meu coração acreditasse que eu encontrei quem eu procurava por toda a eternidade, esta seria a hora de me fazer morto, e me dar o dom da morte, e fiz a vontade de minha alma, pois não preciso mais viver nem que o mundo suplique por minha existência, eu não necessito mais da vida, apenas de permanecer vivo nos sonhos de muitas pessoas, voltarei em outras vidas, e em todas elas passarei por você, e em todas as coisas que acontecer entre o momento de minha chegada e o momento de minha partida nada nos fará ficarmos juntos, porque não fomos feitos para sermos nossos, e sim do acaso e do destino, toda a vez que eu consegui lhe encontrar eu me matarei para que assim seja cumprida a minha missão terrena... Eu lhe peço perdão porque ter feito isso e também por ter me julgado... Mas hoje, ou melhor, neste momento não pode fazer mais nada, quando chegar ao fim desta carta, terá a simples certeza de que eu não existo mais, ficarei sumido por algums dias, depois de tantos séculos e tantos anos buscando alguém que nasceu a ti por um destino cruel e com um fim tão trágico para suportar ate o fim de seus dias, eu não quero voltar para que isso se repita, a partir de agora viva a sua vida, pois eu não vivo mais, cumpra a sua jornada porque a mim se acabou, só então eu não mais pude lutar pela vida, e sim querer a morte o quanto antes, sonhei muitas vezes no passado que morreria como um grande escritor, e criaria minha própria morte. Mas não! Eu tinha um papel maior no mundo, era encontrar você, a bela jovem de uma carta escrita pelas mãos do destino, e fiz valer para encontrar só não imaginei que o meu fim seria quando eu tivesse achado a minha vida, acreditar nisso seria improvável e se tornou verdade acima de tudo, e eu então estou agora morto, me suicidei as vésperas de uma noite em que celebraríamos talvez mais um mez da nossa união ... Desculpe-me por não se despedir de ninguém, por ter que partir assim louco e inseguro, maluco e desprendido do mundo, mas foi assim que eu fiz, foi isso que eu pude fazer, apenas isso... Peço-lhe que faça valer meus pedidos e que eu seja velado com horas de maldito suicida... Eu te amo e levarei dentro do meu coração este amor, como já fiz em minhas vidas passadas, um dia nos encontraremos, e a única coisa que fará você lembrar de mim será o meu CHEIRO... Estão são minhas palavras depois de logo tempo sentindo a dor de meu sangue se esvaindo de dentro de mim... Eu ti amarei por toda a eternidade, e assim selo nosso pacto de sangue...

Nenhum comentário:

Postar um comentário